quarta-feira, 15 de julho de 2015

A ESCOLARIZAÇÃO DO ALUNO AUTISTA.

Olá, Amigos e Amigas!
Estive em débito com vocês, durante o primeiro semestre deste ano, devido às "emoções", da vida de uma Professora. Porém estou retornando com as postagens deste espaço, que é muito valioso, para o meu trabalho.
Reinicio as postagens com o compromisso de atualizar os materiais que construí, ao longo deste semestre, dentro do tema Educação Inclusiva, no viés pedagógico.
São materiais de palestras, cursos e atividades de sala de aula, adequadas para uma sala regular, tendo como fio condutor a Aprendizagem Multissensorial.
Inicio com o material de um curso que tive a oportunidade de ministrar, com o tema acima citado " A Escolarização do Aluno Autista".
Espero que gostem!
Grande Abraço!
Professora Elaine Cristina Alves de Carvalho Leal.


DELINEANDO O CONCEITO DE AUTISMO.

O autismo é um transtorno que associa algumas dificuldades da criança em termos de interação social e comunicação, bem como um repertório restrito de atividades e interesses (DSM IV-TR, 2002). Leia-se ―repertório restrito não como algo negativo que dá ideia de déficit, mas como a forma encontrada pela criança de, por exemplo, através da incessante repetição de uma atividade, fazer com que as coisas não mudem de lugar, não sejam substituídas, o que poderia lhe causar ansiedade e confusão pelo fato de não as encontrar no lugar em que deixou.  
Já na escola, o diagnóstico deverá ajudar o professor a compreender como a criança funciona a partir de determinado quadro, porém, não deve ser um limitador das suas funções, comportamentos, tampouco uma profecia que não dará chances de o aluno aparecer nas suas particularidades. Nesse sentido, precisamos apostar na capacidade de aprendizagem do aluno, convidando-o a interagir no contexto em que se encontra, enfatizando a construção de um sujeito psíquico, ou seja, um aluno que poderá desenvolver sua capacidade simbólica e de linguagem para dizer, mesmo que com simples gestos, o que quer de nós e da escola. 

APOIOS IMPORTANTES PARA UMA INCLUSÃO RESPONSÁVEL NAS SALAS REGULARES.

COMUNICAÇÃO:
Linguagem Receptiva.
Linguagem Expressiva.
Comunicação Formal.
Comunicação Alternativa.
Comunicação Não Formal.

APOIOS PARA ACESSO E PARTICIPAÇÃO NO CURRICULO GERAL.

Educação Individualizada.
Equipe Colaborativa.
Avaliação Funcional.
Apoios de  Pessoal.
Apoios Culturais.



AVALIAÇÃO FUNCIONAL E A CONSTRUÇÃO DO PLANO EDUCACIONAL INDIVIDUALIZADO NAS SALAS REGULARES NA CONCEPÇÃO DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA.

PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO E A ATENÇÃO À DIVERSIDADE.

O QUE É AVALIAR FUNCIONALMENTE?

Avaliar pressupõe respeito. Em Educação o termo avaliação sempre suscitou muitos embates. Desde a década de oitenta até hoje, muitos foram os autores que se atentaram ao tema.
Podemos pensar que dentre muitas convicções acerca do ato de avaliar, uma que ficou marcante no campo da Pedagogia foi o compromisso com o avaliar, enquanto fio condutor de práticas pedagógicas, que pudessem  enriquecer o processo de ensino e aprendizagem.

E na educação inclusiva ????

¢No capítulo V da Lei de Diretrizes e Bases da Educação de 20/12/1996, “ Da Educação Especial”, no Art. 59, (...) “Os sistemas de ensino assegurarão aos educandos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação: (Redação dada pela Lei nº 12.796, de 2013)
¢I - currículos, métodos, técnicas, recursos educativos e organização específicos, para atender às suas necessidades...”

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO- 2008/2011.


¢Pressupõe que a Escola esteja organizada e desenvolva Práticas Pedagógicas que atendam às diferenças.
¢A Educação Especial passa a fazer parte da Educação Regular, devendo estar inserida no Projeto Político Pedagógico da Escola.
¢O Currículo passa a ter uma caracterização flexível (compreensiva), no uso de auxílios pedagógicos ajustados às Necessidades Educacionais dos Alunos, ou seja, o foco pedagógico passa a ser no Aluno e não na Deficiência.

COMO AVALIAR FUNCIONALMENTE?

¢Pensando em situações pedagógicas, nas quais possamos identificar as potencialidades e dificuldades dos Alunos.
¢Elaborando materiais significativos para o Aluno(a).
¢Atividades que tenham comandas simples e claras.
¢Ressignificar o ato de avaliar, transformando as situações normalmente bidimensionais em tridimensionais.
¢Perceber o Aluno(a) como um ser único e inteiro.

CRITÉRIOS DA AVALIAÇÃO FUNCIONAL.


¢Ser individualizada.
¢Realizada em etapas.
¢Focar nas seguintes Habilidades Cognitivas:
¢Motricidade;
¢Percepção;
¢Linguagem;
¢Socialização;
¢Raciocínio Lógico;
¢Aprendizagem;
¢História vital ( Família);
¢Habilidades Adaptativas.

Exemplos de materiais utilizados:


¢Caixas sensoriais;
¢Jogos de encaixe;
¢Bandinha;
¢Massa de modelar;
¢Blocos lógicos;
¢Jogos de percurso;
¢Bambolês;
¢Bolas de diferentes tamanhos;
¢Tintas;
¢Diversos tipos de materiais sensoriais: brinquedos, sucata, areia, argila, filmes, músicas...

MODELO DE REGISTRO DA AVALIAÇÃO FUNCIONAL.


¢Nome______________________________________
¢Data:______________________________________
¢Áreas Cognitivas:¢Motricidade:
¢Ampla e Fina
¢Potencialidades e Dificuldades.
¢Linguagem:
¢Expressiva e Receptiva
¢Potencialidades e Dificuldades.
Percepção:
Auditiva; Visual e Tátil.
Potencialidades e Dificuldades.
Raciocínio Lógico.
Potencialidades e Dificuldades.
Aprendizagem:
Potencialidades e Dificuldades.
Socialização:
Potencialidades e Dificuldades.


sábado, 28 de fevereiro de 2015

Adequação Curricular do tipo Multinível para o 1º Ano do Ensino Fundamental,organizada para uma Criança com Autismo.

Olá, Amigos e Amigas!
Peço desculpas pela ausência. Novamente esse inicio de ano letivo, foi marcado por transformações em minha vida profissional, que exigiram uma parada estratégica para reorganização de ideias.
Bem essa postagem foi preparada no ano passado, visando a eliminação de algumas barreiras na alfabetização de uma Criança que acompanho, com quadro de Autismo, devidamente matriculada na rede regular de ensino.
Gosto de salientar que o objetivo desse espaço, é de subsidiar ações pedagógicas voltadas para o público com Necessidades Especificas, e não oferecer "receitas", pois esse tipo de intervenção é muito pontual e individual, portanto cada caso é um caso!
Nesse caso especifico, para que essas atividades fossem implementadas, foi necessário um conhecimento especifico da Criança, através de uma Avaliação Funcional, da Família com o levantamento da História Vital, da Escola com encontros periódicos com a Equipe Gestora e Docente, com os demais Profissionais Multidisciplinares, pois a Criança é única e temos que alinhar nossas ações.
Todas as atividades propostas nesse trabalho foram organizadas sob minha responsabilidade. Para isso utilizei os seguintes recursos:
* Blocos Lógicos;
* Letras Móveis de diferentes materiais;
* Miçangas;
* Imagens da Internet;
* Massinha;
* Tinta guache.
Cabe lembrar que esse trabalho foi construído com base no Planejamento Pedagógico da Escola Regular, com foco no estímulo sensorial, no caso necessário para facilitar a aprendizagem da Criança.
Espero que gostem e seja útil!
Abraço!
Elaine. 

CIÊNCIAS

EXPERIMENTANDO CORES

( Aqui foi feito um trabalho com os blocos lógicos e as cores primárias. No caso recomendei o uso da figura do circulo.)


VAMOS CONHECER AS CORES?

 ( Aqui pensei na colagem de três blocos lógicos em formato de circulo nas três cores.)




                            
      AZUL              VERMELHO         AMARELO


VAMOS CONSTRUIR O MUNDO DAS CORES?


ESSA É A COR VERMELHA          

 ( Aqui colei um circulo vermelho).



VAMOS PROCURAR FIGURAS COM ESSA COR E COLAR?

( Aqui o objetivo é que na Escola com o auxilio da Professora, a criança procurasse imagens em revistas e livros da cor solicitada.)


PINTE COM O DEDO

( Aqui o objetivo é que a Criança pintasse com o dedo uma imagem de um circulo grande com tinta vermelha. para Crianças com maiores dificuldades motoras é aconselhável o contorno da figura com barbante ou cola quente. Nas demais atividades abaixo o procedimento foi o mesmo, utilizando as peças do bloco lógico nas cores citadas.)





ESSA É A COR AMARELA

                                    
  

                        
                                                AMARELO

PINTE COM O DEDO

  



VAMOS PROCURAR FIGURAS COM ESSA COR E COLAR... 






ESSA É A COR AZUL
                        
                         
                                 AZUL

PINTE COM O DEDO



 VAMOS PROCURAR FIGURAS COM ESSA COR...




 MISTURANDO CORES

VAMOS JUNTAR AS CORES QUE CONHECEMOS?


AGORA É A SUA VEZ... PINTE...


AMARELO                       AZUL                             VERDE



AGORA É A SUA VEZ... PINTE...


AMARELO             VERMELHO                    LARANJA


AGORA É A SUA VEZ... PINTE...


AZUL                             VERMELHO                  ROXO








MAÇÃ




SOL




CÉU



TRABALHANDO COM AS CORES COM MASSA DE MODELAR.









AGORA É SUA VEZ...















SAPO



LARANJA



UVA



TRABALHANDO COM AS CORES COM MASSA DE MODELAR.




AGORA É SUA VEZ...











MISTURANDO CORES



































domingo, 2 de novembro de 2014

RECURSOS DE ACESSIBILIDADE CURRICULAR UTILIZADOS NA ESCOLA REGULAR.

Olá, Amigos e Amigas!
Desculpem a demora nas postagens, mas minha rotina mudou bastante nos últimos meses.
Hoje irei compartilhar com Vocês, alguns recursos de acessibilidade curricular que tenho acompanhado em minhas visitas as Unidades Escolares, aqui no Município de São Paulo.
São materiais feitos por Professores que atuam nas salas regulares e que aceitaram o desafio da Educação Inclusiva, não só para os casos de Deficiência, mas para Todos os Alunos. Afinal o caráter Inclusivo da Educação, deve abranger à Todos os Alunos.
As primeiras fotos são jogos construídos por uma Professora da Rede Municipal. Ela costura esses jogos num tamanho maior que o normalmente encontrado nas lojas, para atender às Necessidades Específicas dos Alunos que necessitam de maior estimulo sensorial, no Ensino Fundamental. Adorei o capricho e a dedicação da Profissional.






Agora gostaria de socializar com Vocês o trabalho de um Professor de Educação Física que também atua em Escolas Regulares e ressignificou sua Prática Pedagógica, para o atendimento dos Alunos com Deficiência.
Gostei bastante de suas propostas de intervenção nas aulas, pois utiliza recursos de Tecnologia Assistiva de baixo custo, construindo jogos de estimulação que atuam  nas diferentes Habilidades Cognitivas: Motricidade, Percepção, Raciocínio Lógico, Socialização e Aprendizagem.
Meu objetivo com essa postagem é incentivar os Colegas Professores das diferentes Escolas espalhadas pelo Brasil afora a exercitarem sua criatividade, tornando a Educação Inclusiva uma realidade não tão utópica, como alguns imaginam.
A cada dia que passa, nos convencemos de que o conceito de Atendimento Educacional Especializado, tende a ultrapassar o ambiente das Salas de Recursos Multifuncionais, ou Salas de Apoio e Acompanhamento à Inclusão, como são chamadas aqui em SP, para os espaços das Salas Regulares, pois só assim transformaremos o caráter meritocrático de nossas Escolas em espaços realmente Inclusivos, criando novas rotas de Aprendizagem e Desenvolvimento para Todos.
Grande Abraço!
Elaine Cristina Alves de Carvalho Leal.